Tendemos a não dar muita atenção aos lamentos aparentemente incoerentes de nossos amigos animais, porém muitos deles se comunicam de uma forma muito mais avançada do que você poderia esperar. Apesar de não estarmos falando exatamente sobre ariranhas com fluência em português ou sapos executando as obras de Shakespeare em latim, algumas das formas de comunicação utilizadas pelos bichos podem te surpreender.

1 - Alguns peixes usam a linguagem de sinais

Não, eles não estão batendo as nadadeiras e gesticulando o alfabeto de LiBraS, por mais divertido que isso possa parecer. Em vez disso, uma espécie de garoupa precisa se remexer muito para se organizar com outros membros de seus esquadrões da morte em busca de comida. Elas demarcam armadilhas para presa, e quando algum desavisado cai no truque, apontam o nariz em direção a ele e fazem uma dancinha para sinalizar sua presença. Os peixes usam o mesmo sinal como uma chamada à ação, para dizer “Ei, vamos caçar neste fim de semana!”. Desta forma, estas garoupas se juntam um grupo de espécies de elite conhecido por ter a capacidade de criar armadilhas para se alimentar, que até agora inclui, ao menos, os seres humanos e as abelhas.

2 - Galinhas conversam com seus ovos – e eles respondem

Não há nada de estranho sobre uma mãe se derretendo e batendo um papo com seu bebê que ainda não nasceu, mas muitas mulheres provavelmente se assustariam ao ouvir seu feto responder. Entretanto, uma mãe galinha não ficaria muito surpresa, já que, para elas, esse é o procedimento padrão. Cerca de 24 horas antes da eclosão, os pintinhos podem ser ouvidos piando dentro do ovo. A mãe galinha irá cacarejar em resposta ao seu filhote ansioso demonstrando um doce, mas um pouco assustador, gesto de confiança.

3 - Besouros usam o código Morse

Deve ser difícil se orientar quando você é um inseto que vive na madeira, perambulando na miríade de túneis que você cavou no denso tronco de uma árvore. Para contornar esta situação, uma espécie perturbadoramente chamada de “death-watch beetle” (algo como “besouro do relógio da morte”) utiliza um sistema não muito diferente do código Morse. Ele bate a cabeça ao longo do topo do túnel, produzindo ecos que viajam ao longo de seu comprimento para entregar mensagens para o resto do seu grupo. É este mesmo método de comunicação que lhes dá o seu nome. Como eles muitas vezes infestam a madeira das casas em seu habitat nativo, a Inglaterra, estas batidas era audíveis aos moradores durante a noite, e lembrava tanto o tic tac ameaçador de um relógio que o nome pegou.

4 - Geralmente, gatos miam apenas para seres humanos

Gatos, na verdade, não miam uns para os outros. Enquanto eles usam outros meios para se comunicar com seus amigos bichos, tais como a linguagem corporal e assobios, o miado é uma honra exclusivamente dedicada aos seus mestres humanos. Os gatos miam para dizer “Olá”, chamar a atenção ou pedir comida – é por isso que gatinhos miam para suas mães, a única exceção à regra -, ou para que você saiba que eles querem alguma coisa, como dar um passeio fora de casa. É apenas mais uma das táticas que os gatos descobriram para controlar o mundo.

5 - Golfinhos conseguem aprender uma segunda língua

Falar durante o sono muitas vezes é embaraçoso, mas a observação dos sons emitidos por um grupo de golfinhos enquanto dormiam mostrou que eles poderiam estar “falando” um idioma diferente. Os golfinhos, que se apresentam ao público em um parque aquático francês, tinham sido expostos a gravações de canções de baleias durante seus shows. Embora nunca tenham sido vistos imitando as músicas enquanto estavam acordados, os sons que eles começaram a fazer durante seu sono mostraram uma semelhança misteriosa com os barulhos das colegas artistas.

Adaptado de ListVerse

2 comentários:

 
Top