Pare por um instante e pense: o que tem de estranho na sua cidade? Não é muito difícil identificar. Em algumas, o clima, por exemplo, pode mudar tantas vezes ao longo do dia que já se tornou comum dizer que viver ali é ter “as quatro estações em 24 horas”. Há também as figurinhas carimbadas, que por suas excentricidades são conhecidas por boa parte da população. E, logicamente, muita “esquisitice” também se deve à localização ou hábitos culturais da região.

Entretanto, há exemplos de cidades que extrapolam essas peculiaridades que podemos encontrar tão facilmente. E, por isso, nada melhor do que conferir na lista abaixo algumas delas. Assim fica mais fácil decidir para onde se mudar quando você estiver procurando novos ares.

1 - Cidade petrolífera no meio do oceano

O que devemos fazer quando encontramos petróleo no fundo do oceano? Erguer uma plataforma petrolífera para extraí-lo, claro. Agora, quando a região possui muito petróleo, nada como construir uma cidade toda no meio do mar, voltada para a exploração desse valioso recurso natural.

Assim foi construída a cidade de Neft Dashlari, pela União Soviética, em 1949, em pleno mar Cáspio, na região do Azerbaijão. E não pense que estamos falando apenas de uma “plataforma grande”. A cidade de Neft Dashlari possui mais de 300 quilômetros de estrada, edifícios de até nove andares, biblioteca, hospital e comércios diversos.

O local aparece, inclusive, em uma cena do filme “007 — O mundo não é o bastante” e também já foi tema de um documentário intitulado “Oil Rocks — City above the Sea”.

2 - Cidade que é um depósito de lixo

Manshiyat Naser é onde o Cairo deposita todo o lixo que cria. Mas não pense que é um terreno que funciona como lixão: estamos falando de uma cidade que é, ao mesmo tempo, um depósito de lixo cuja sociedade se baseia na forma como lida com esse recurso.

Os moradores da região vivem do que reaproveitam das toneladas de lixo que chegam à cidade, selecionando tudo o que for de valor, como metais e eletrônicos. E apesar de a cidade não possuir água e rede elétrica, por exemplo, ela não se resume a ser um lixão, tendo ruas, lojas e condomínios de apartamento por todo lado.

3 - A ilha da morte

A humanidade costuma habitar lugares muito inapropriados, mas ninguém moraria em uma ilha cujo vulcão libera gases tóxicos e mortais constantemente, certo? Bem, errado. A ilha Miyake-Jima, no Japão, fica a apenas 180 km do sul de Tóquio e possui uma característica marcante: a presença do Monte Oyama, um vulcão que já entrou em erupção inúmeras vezes ao longo da história.

Mas isso não é tudo: os moradores de Miyake-Jima quase não podem respirar na ilha por causa dos gases letais que o vulcão libera constantemente. Por isso, quem habita esse lugar é obrigado a ter uma máscara que possibilite sua existência em um ambiente tão agressivo. A ilha possui uma população de mais de 2 mil pessoas, que continuam vivendo lá por uma questão científica, já que recebem dinheiro para realizar experimentos no local. E servir de cobaia também, é claro.

4 - Uma cidade para anões

Apesar de o regime político do país ser bastante severo, a China não é lá muito politicamente correta. Prova disso é o negócio criado por Chen Mingjing, um empreendedor de 44 anos que resolveu criar um local onde pessoas com nanismo pudessem viver em uma sociedade que não os discriminasse. A princípio tudo bem, não fosse o fato de que essa cidade é, também, um parque temático.

Para Mingjing, ele criou uma espécie de zona de conforto para essas pessoas e gerou centenas de vagas de emprego que antes não existiam. Mas é claro que ignora o fato de que seus “beneficiários” precisam viver fantasiados e morando em casas no formato de cogumelos, já que são uma atração turística.

A cidade dos anões possui cerca de 120 habitantes e a única regra para morar nela é não ultrapassar a altura de 1,30 metro. A “vila” possui toda a infraestrutura necessária, contando inclusive com delegacia e brigada de incêndio adaptadas à altura de seus habitantes.

5 - Cidadela proibida de Kowloon

Imagine um lugar, na China, em que o governo não manda. Ou melhor, um lugar que o governo simplesmente abandonou e decidiu que, se é pra existir, que seja sem a ajuda dele. Estamos falando da antiga cidade murada de Kowloon, uma área altamente povoada e completamente anárquica que existiu entre os anos 40 e 90.

Esse grande bloco sólido de edifícios foi, um dia, uma fortaleza militar, mas acabou sendo abandonado depois de uma disputa política com o Reino Unido. Em 1987, havia 33 mil residentes em uma área de 0,3 km2. Além disso, como o governo não possuía influência sobre o local, a cidade possuía índices altíssimos de prostituição, consumo de drogas e jogos de azar.

Com o passar do tempo, o governo não foi mais capaz de ignorar a cidadela e, depois de muitas incursões policiais para derrubar as facções criminosas que mandavam no pedaço, a cidade murada de Kowloon foi completamente destruída, em abril de 1994. Hoje, o local abriga um parque e algumas ruínas históricas da cidade, abertas à visitação.

Adaptado de Megacurioso

0 comentários:

Postar um comentário

 
Top