Eis aqui alguns exemplos onde um pequeno erro de cálculo teve consequências catastróficas ou, pelo menos, saiu muito caro. E veja só, nenhum deles aconteceu no Brasil.

1 - A ponte que balança

A ponte Tacoma Narrows foi criada em 1938 sobre o Estreito de Tacoma, em Washington, Estados Unidos. Por um erro de engenharia, a ponte balançava muito e foi até apelidada de “Ponte galopante”. Demorou apenas dois anos para que, com ventos fortes a 65 km/h, a ponte finalmente caísse.

Os ventos causaram movimentos de torção na ponte, levando a estrutura a colapsar. Felizmente, não ouve nenhum ferido no acidente. Uma nova ponte foi construída no local e funciona até hoje.

2 - O prédio que derrete carros

Sabe aquela “brincadeira” de queimar formigas com uma lupa? É mais ou menos isso que um arranha-céu conhecido como "Walkie-Talkie" está fazendo em Londres desde o ano passado.

O edifício tem vidros espelhados côncavos e, com o calor gerado pelo reflexo do sol em suas janelas, atinge os carros estacionados nas ruas próximas.

O prédio ainda está em construção e a empresa responsável tomou medidas de emergência, como fechar os estacionamentos próximos até que uma solução definitiva seja encontrada.

3 - O avião sem combustível

Em 1983, um avião da Air Canada ficou sem combustível enquanto voava sobre a província canadense de Manitoba. Não havia acontecido nada de incomum que justificasse a falta de combustível, a não ser mais um clássico erro de cálculo causado pela confusão com o sistema de medida.

O Canadá havia recentemente adotado o sistema métrico decimal. O indicador de combustível a bordo do avião não estava funcionando e a tripulação foi responsável por fazer o cálculo do reabastecimento. Resultado: o avião, que deveria ter sido abastecido com 22300 kg de combustível, levantou voo com apenas 22300 libras, menos de metade.

Felizmente, o piloto conseguiu aterrissar na pista de Gimli. Apenas 10 pessoas ficaram levemente feridas, mas não houve nenhuma morte.

4 - O navio que não flutuava

Em 1628, a Suécia inaugurava o navio de guerra mais poderosos do mundo, com 64 canhões de bronze. Na sua viagem inaugural, o navio Vasa, no entanto, vazou. A menos de 2 km da costa, o navio naufragou e infelizmente 30 pessoas morreram.

Segundo arqueólogos que estudaram o navio em 1961, o problema foi que o navio era assimétrico, sendo mais espesso a bombordo do que a estibordo. Mais uma vez, a razão pode ter sido o uso de medidas diferentes, já que quatro réguas usadas para a construção foram encontradas, sendo duas calibradas com pés suecos, e outras duas com pés de Amsterdã.

5 - A sonda que desapareceu

A sonda Mars Climate Orbiter foi criada para monitorar o clima em Marte, mas desapareceu em 1999 por um “erro de cálculo”. A equipe da NASA usou o sistema anglo-saxão de unidades (polegadas, milhas, galões, etc), mas uma das empresas contratadas usou o sistema decimal, que usamos mais comumente aqui no Brasil (metro, grama, litro, etc).

O resultado foi um erro de cálculo suficiente para fazer a sonda de US$ 125 milhões chegar perto demais de Marte ao tentar manobrar para entrar em órbita. O mais provável é que ela tenha se destruído ao entrar em contato com a atmosfera.

Adaptado de Discovery

0 comentários:

Postar um comentário

 
Top