Quais seriam os filmes "obrigatórios" no currículo cultural de quem se dedica a salvar vidas? É o que o site Exame.com foi perguntar a seis médicos.

Na lista estão alguns títulos que retratam profissionais da medicina e filmes que, a princípio, podem parecer “estranhos no ninho”, mas que trazem em seu cerne questões fundamentais para o exercício da profissão.

1 - Patch Adams - O amor é contagioso

O filme é indicado por dois dos médicos entrevistados: o cirurgião plástico André Colaneri e a pediatra Denise Bedoni, do Hospital Leforte.
“Mostra que a medicina pode ter um cunho muito mais humano, lembrando sempre do ser humano por trás da doença, contrastando com a visão técnica e fria da nossa formação”, diz Colaneri.

A pediatra Denise também destaca o filme pelo fato de ele enfatizar o dom dos médicos de amenizar o sofrimento das pessoas.

Patch Adams – O amor é contagioso (Patch Adams)
Ano: 1998
Direção: Tom Shadyac

2 - O Físico

É o filme mais recente desta lista e a indicação é da pediatra Denise Bedoni, do Hospital Leforte. “Destaca a importância de realizar um trabalho com amor, resignação, humildade, não em busca de uma supervalorização social, mas pela gratificação e pela condição humana que lhe foi permitida”, diz.

O Físico (The Physician)
Ano: 2014
Direção: Philipp Stölzl

3 - Um Golpe do Destino

O longa-metragem conta a história de um renomado cirurgião - arrogante e indiferente aos seus pacientes - que sofre uma reviravolta em sua vida ao receber o diagnóstico de câncer. Quem indica é Flavio Iizuka, urologista do Hospital Leforte.

“O filme é um ótimo pretexto para repensar a relação médico-paciente. Aprendi ao longo da minha carreira que a humildade e o relacionamento humanizado são sábios conselhos para um bom desenvolvimento profissional. A empatia é tão importante quanto o conhecimento e o bom senso na nossa profissão”, diz o médico.

Um Golpe do Destino (The Doctor)
Ano: 1991
Direção: Handa Haines

4 - A Sociedade dos Poetas Mortos

O filme, segundo o cardiologista Hélio Castello, diretor da Angiocardio, traz subsídios importantes para estudantes e professores de medicina.

“Além da valorização da individualidade, pois cada profissional de saúde tem seu valor e sua forma de pensar e agir, o foco na inovação proporcionará melhores formas no atendimento, na assistência e na capacidade de se adaptar às adversidades, tão comuns na assistência à saúde em nosso país”, explica.

A Sociedade dos Poetas Mortos (Dead Poets Society)
Ano: 1989
Direção: Peter Weir

5 - A Vida É Bela

O filme foi indicado por dois dos médicos entrevistados: o gastroenterologista do Hospital Leforte, Eduardo Grecco, e o cardiologista Hélio Castello, diretor da Angiocardio.

“A mensagem é de como superar as dificuldades e lidar com elas de maneira criativa. A rotina de se trabalhar em hospitais faz com que você tenha que transmitir aos pacientes uma maior confiança e segurança para que se obtenham melhores resultados”, explica Grecco.

Castello concorda. De acordo com ele, a verdade, às vezes, deve ser manipulada para oferecer alguma felicidade residual ao paciente.

“O filho, no filme, pode ser comparado ao paciente com uma doença em fase terminal. Embora a verdade deva ser dita sempre, podemos, nós médicos, influenciar para que a realidade do paciente seja pouco menos dura e que ele consiga ter alguma alegria em momentos até simples”, diz. A qualidade de vida, diz Castello, deve ser preservada e perseguida, por menor que seja.

A Vida É Bela (La Vitta è Bella)
Ano: 1997
Direção: Roberto Benigni

Adaptado de Exame

0 comentários:

Postar um comentário

 
Top