A verdade não vende bem. É só misturar estudos difíceis de entender com um ciclo de notícias 24 horas e empresas de mídia que se esforçam para a ser o mais novo hit, e não é nenhuma surpresa que a desinformação se espalha como fogo num campo seco.

Existem alguns mitos que costumam aparecer na mídia de tempos em tempos, e há quem dedique programas inteiros para discuti-los. Abaixo, seguem os maiores mitos da nutrição difundidos pelos meios de comunicação:

1 - O sal faz com que a pressão arterial aumente e deve ser evitado

A maioria dos mitos nascem de uma pitadinha de verdade. É verdade que as pessoas com hipertensão sal-sensível (HSS) devem evitar o sal, pois ele aumenta a sua pressão arterial.

No entando, um estudo recente sugere que não há associação entre o consumo de sal e hipertensão – doença caracterizada pela pressão arterial anormalmente alta. Em vez disso, as evidências sugerem que peso corporal elevado, tal como medido através do IMC, está associado com a pressão sanguínea elevada.

A verdade: O consumo de sal não está associado com pressão arterial elevada, exceto para as pessoas com HSS. Ainda assim, o brasileiro médio consome mais do que o dobro da quantia recomendada de sódio. O sódio excessivo pode não elevar a pressão arterial, mas está associado a outros problemas de saúde.

2 - Gordura saturada é ruim para você

A maneira tradicional de perder gordura durante muito tempo foi através e uma dieta de baixa gordura. Mas, assim como comer colesterol não aumenta diretamente os níveis de colesterol, comer gordura não faz com que você engorde.

O mito de que a gordura saturada causa doença cardiovascular não é verdade. A qualidade dos alimentos é o que importa – há uma grande diferença entre comer um bife de gado alimentado com capim e um hambúrguer de fast food.

A verdade: A gordura saturada em si não leva a doenças cardíacas ou doenças cardiovasculares. Na verdade, as dietas de baixa gordura com detrimento de gordura saturada podem ser prejudiciais para a produção de testosterona.

3 - Ovos (especialmente gemas de ovos) são ruins para você

Os ovos foram demonizados porque suas gemas, que são repletas de nutrientes, também contêm altos níveis de colesterol. Embora isso soe assustador, não passa de mais um mito, já que comer alimentos ricos em colesterol não se traduz em aumento do colesterol no sangue.

Pesquisas atuais mostram que, a menos que você tenha um condicionamento pré-existente, os ovos são uma fantástica fonte de proteínas, gorduras e nutrientes.

A verdade: os ovos são uma grande fonte de proteínas, gorduras e outros nutrientes. Sua associação com doenças cardiovasculares e colesterol elevado é severamente exagerada.

4 - Pão integral é muito melhor do que o pão branco

Acredita-se que o pão integral seja melhor do que o pão branco por causa de seu alto teor de fibras e micronutrientes. Além disso, ele tem um índice glicêmico mais baixo, bem como o de insulina, o que significa que resulta em menor liberação de insulina após uma refeição.

Tudo isso é verdade, mas a mídia frequentemente deixa de mencionar que as diferenças reais entre o pão branco e o pão de trigo integral são relativamente pequenas. Os “altos” níveis de fibras no pão de trigo integral não são tão altos em comparação com frutas e legumes. Embora muitos micronutrientes sejam removidos durante o processamento do pão branco, muitos pães são posteriormente enriquecidos com nutrientes adicionais.

Uma diferença real entre o trigo e pão branco é o teor de ácido fítico do trigo. O ácido fítico liga-se a minerais da dieta, como ferro e zinco, o que pode reduzir um pouco a sua absorção no organismo. Mais importante, o ácido fítico também tem um efeito de proteção anti-inflamatória para o cólon. Portanto, há um pouco de bom e um pouco de mau. Trigo e pão branco ainda fornecem um número similar de calorias e ambos contêm glúten e proteínas relacionadas.

A verdade: Os pães branco e de trigo integral não são tão diferentes. Ainda que acredite-se que o pão de trigo integral seja mais saudável, nenhum deles contém um alto nível de micronutrientes.

5 - Comer pequenas refeições ao longo do dia acelera o seu metabolismo

É fácil de rastrear esse mito de volta à sua origem. Digerir uma refeição realmente acelera um pouco o seu metabolismo, mas a única maneira de sustentar essa taxa elevada é comer mais.

O consumo total de energia vem da quantidade de alimentos que você come. As evidências científicas mostram que o número de refeições, em grande parte, não faz diferença.

De fato, alguns estudos sugerem que fazer pequenas refeições mais vezes torna mais difícil se sentir satisfeito, potencialmente levando ao aumento da ingestão de alimentos.

A verdade: Embora a digestão aumente a taxa metabólica, este efeito é insignificante quando comparado com o conteúdo calórico real do alimento consumido.

Adaptado de Examine.com

0 comentários:

Postar um comentário

 
Top