É interessante reparar o quão longe uma pessoa pode ir para ganhar uma aposta. Competitivos de carteirinha geralmente não podem ouvir a palavra “duvido” sem fazer o que quer que a outra pessoa esteja sugerindo – mesmo que isso signifique ter uma atitude completamente irresponsável. A seguir, confira bons exemplos do que não fazer:

1 - A aposta do uísque

Em 1971, Annie Tomain disse que conseguiria tomar meio litro de uísque em 10 minutos. Se tudo desse certo, seus amigos deveriam a recompensar com a incrível quantia de US$ 20. Detalhe: a essa altura, ela já tinha consumido um grande volume de bebida alcoólica, o que de certa forma explica a ideia sem cabimento.

Assim que terminou de tomar todo o uísque, Tomain entrou em colapso e morreu quando seus amigos a levavam para o hospital. Infelizmente, não são raros os casos de pessoas que morrem por causa de apostas envolvendo bebidas alcoólicas. Uma dose de juízo também vai bem, viu!

2 - Apostas envolvendo armas: não faça

Em 1998, um homem chamado Larry Slusher resolveu que era hora de fazer uma aposta emocionante com o seu melhor amigo, Silas Caldwell. Basicamente, Slusher pediu para que Caldwell atirasse contra uma latinha de cerveja, que ele colocaria em cima da própria cabeça. O amigo aceitou o desafio, e arma usada foi uma pistola automática calibre 22.

A aposta entre os dois acabou em tragédia, é claro. Caldwell errou o alvo e, em vez de acertar a latinha, acabou dando um tiro na cabeça do melhor amigo. Testemunhas relataram depois que os dois estavam bêbados quando a tragédia aconteceu.

3 - O chinês que morreu de tanto comer mingau

O lavrador chinês Zhao Jun era conhecido por seu talento quando o assunto era uma boa comilança, até mesmo porque já tinha sido vencedor de alguns campeonatos envolvendo grandes comedores. Um dia, em 1996, em troca de um pacote de cigarros, aceitou o desafio de comer oito tigelas de mingau. O que parecia simples demais acabou custando a vida de Jun, que teve seu intestino explodido durante a aposta e morreu.

4 - Quem fica mais tempo nos trilhos do trem?

Em 1988, o carnavalesco Virgil Burkhart desafiou um amigo para um teste de ferro. A ideia, basicamente, era ver quem ficaria mais tempo deitado em um trilho de trem, mesmo quando percebesse que uma locomotiva estava se aproximando. Burkhart levou a “brincadeira” tão a sério que não saiu dos trilhos e, claro, acabou morrendo.

5 - O medo de morrer antes de a aposentadoria chegar

Em 1947, logo depois de completar 60 anos de idade, Allan Sharpe, que trabalhava muito e já tinha doenças cardíacas, começou a ficar com medo de morrer antes mesmo de a sua tão esperada aposentadoria chegar. “Eu aposto US$ 10 que estarei morto antes de chegar aos 65 anos”, disse ele a seu médico, que aceitou a desafio.

No dia de seu 65° aniversário, Sharpe enviou ao médico um envelope com uma nota de US$ 10, já que havia perdido a aposta. Quando estava subindo as escadas para chegar em casa, no entanto, sofreu uma trombose coronária e caiu morto no chão.

Adaptado de About Entertaiment

0 comentários:

Postar um comentário

 
Top